Solicitação de Orçamento

O melhor blog sobre sites e lojas virtuais

Blog Loja Virtual Por que você deve saber sobre neuromarketing ao criar loja virtual

Por que você deve saber sobre neuromarketing ao criar loja virtual

Saiba o que é neuromarketing, como funciona, quais são os benefícios e como aplicar em sua loja virtual.

por Time Construsite

Você não precisa ter bola de cristal para compreender as necessidades subconscientes dos clientes ao criar uma loja virtual. O neuromarketing é uma ótima ferramenta para ajudá-lo nesse processo. Ele nada mais é que a união entre neurociência e marketing.

Na prática, a ferramenta procura descobrir porque o cliente prefere a marca (X) ao invés da marca (Y), quais são os motivos pelos quais um consumidor compra um determinado item ou deixa de finalizar uma compra, além de entender o quanto o consumidor está disposto a investir por um determinado serviço.

Tem interesse em descobrir mais informações sobre os consumidores da sua loja virtual?

Então, continue lendo este artigo e surpreenda-se com o neuromarketing.

Leia mais em: O que preciso para começar a vender online?

Quando surgiu o neuromarketing?

O termo foi registrado no início dos anos 90, nas obras de Gerry Zaltman, da Universidade de Harvard. No entanto, o neuromarketing conquistou destaque em 1991.

Naquele período, grandes nomes do mercado, como a Coca-Cola, investiram em laboratórios de universidades dos Estados Unidos com o objetivo de entender melhor a eficiência de propagandas e anúncios.

De forma resumida, o neuromarketing utiliza as tecnologias de neurociência para as estratégias de marketing. Ele utiliza como base a tomografia cerebral para descobrir as reações causadas no cérebro humano quando os clientes recebem certos estímulos.

Aqui, são feitos testes de ressonância magnética em que é medido diversas informações importantes.

  • Dilatação da pupila;
  • Resposta muscular;
  • Temperatura da pele de uma pessoa quando ela é estimulada.

Por meio desses dados, o neuromarketing consegue prever o tempo de resposta, a frequência e a localidade da atividade neuronal, com o objetivo de melhorar os anúncios e as estratégias da empresa.

Como funciona o Neuromarketing?

Não há como falar sobre Neuromarketing sem explicar detalhes básicos em relação ao funcionamento do cérebro humano.

De acordo com a Teoria do Cérebro Trino, criada pelo neurocientista Paul MacLean, o cérebro é separado por três partes, que explicaremos logo a seguir.

Cérebro Reptiliano

Denominado também de cérebro instintivo, essa parte tem como objetivo pôr em ação os instintos de sobrevivência, administrando funções que são consideradas básicas. As mais comuns são: fome, sono e segurança.

Cérebro Límbico

Já o segundo nível, tem como responsabilidade administrar as emoções que são consideradas complexas, além das sensações que correspondem aos cinco sentidos.

Aqui, é possível identificar estruturas como o hipocampo, que está relacionado com a memória. Nela, há diversas informações armazenadas.

Neocórtex

O próximo nível da região cerebral é responsável por separar o ser humano dos outros animais.

Nele, estão localizados os lobos cerebrais, que administram as interações sociais e permitem que os indivíduos possam pensar com racionalidade de maneira abstrata. A estrutura também ajuda a potencializar a nossa criatividade.

Mas, afinal, qual é a relação dessa divisão com o neuromarketing?

Com o auxílio das tecnologias da neurociência, é possível descobrir os estímulos que são responsáveis por acionar cada uma das partes do cérebro de um indivíduo.

Por meio dessas informações, a equipe de marketing tem insumos suficientes para compreender como os clientes recebem detalhes relacionados aos seus produtos ou anúncios.

Você consegue descobrir, por exemplo, se um futuro cliente consegue entender a propaganda do negócio de forma imediata ou se ele precisa pensar um pouco a mais para compreender a mensagem que deseja transmitir naquele momento.

Com base nessas informações, a sua empresa consegue definir estratégias que acionam certas áreas do cérebro e conquistam o resultado previsto, garantindo mais qualidade nas estratégias de divulgação. Além disso, é possível trazer mais valor de produtos e serviços.

Exemplo da Coca-Cola e Pepsi

A relação entre a Cola-Cola e a Pepsi é um ótimo exemplo sobre como a percepção sensorial e a memória associativa têm bastante influência na decisão do cliente.

Neste estudo, foi utilizado a ressonância magnética funcional (fMRI) para descobrir as preferências dos clientes entre as marcas de refrigerante mais conhecidas do mundo. Para isso, o estudo foi feito em duas etapas.

  • Primeira etapa: participantes experimentaram as bebidas sem identificação de marcas. Neste momento, as atividades cerebrais eram acompanhadas. Os estímulos de preferência foram bastante parecidos;
  • Segunda etapa: os participantes experimentaram dois copos com o mesmo líquido. No entanto, somente um deles tinha marca. Resultado: região cerebral relacionada à tomada de decisão foi mais acionada quando os indivíduos tomam o copo sinalizado como Coca-Cola, embora o segundo copo tenha a mesma bebida. O estudo mostra que com a Pepsi não houve a mesma percepção.

O teste mostrou que a percepção sensorial dos clientes foi alterada quando eles sabiam o líquido que estavam bebendo. Nesse caso, os resultados do fMRI sinalizaram uma alta atividade cerebral situada em regiões relacionadas à memória.

Isso quer dizer que a escolha pelo copo selecionado com a marca estava relacionado à reativação da memória e aos conceitos ligados à empresa.

Afinal, percepção sensorial e felicidade são duas características bastante comuns nos anúncios das empresas.

Como aplicar neuromarketing ao criar uma loja virtual?

Após descobrir o que é neuromarketing, como funciona e seus benefícios, veja abaixo algumas dicas para aplicar em sua loja virtual.

  • Agrade o cliente pela primeira impressão. Ofereça um design bonito, responsivo, simples e impactante;
  • Crie estratégias de marketing que falam diretamente com o consumidor. Use sempre a segunda pessoa (você) para se aproximar de outras pessoas;
  • Use gatilhos emocionais de “escassez” para estimular o consumidor a comprar os produtos, como: “Corra, últimas unidades!”;
  • Aposte em avaliações e depoimentos: exibir a opinião de outras pessoas sobre o produto ou serviço pode incentivar na aquisição daquele determinado item.

Quando for aplicar as estratégias de neuromarketing, monitore os resultados de perto para entender quais foram as ações que trouxeram resultados positivos e quais são aquelas que precisam ser ajustadas.

Quer potencializar ainda mais os resultados do seu negócio ao criar uma loja virtual? Veja agora estratégias de marketing para lojistas e aumente as taxas de conversão da sua loja virtual.

Receba o contato de um especialista

Autor:

Time Construsite | Marketing
Escalamos os melhores redatores, jornalistas, publicitários, designers e especialistas de mercados distintos, com a missão de criar o melhor conteúdo da internet. Dica da Equipe: Leia 3 textos diariamente para levar sua empresa ao sucesso!
Outros posts feitos por Time Construsite

Comentários: